O que os jovens pensam da escola

Estação do Saber

Sessenta e nove por cento dos estudantes de ensino médio consideram deficiente a utilização de tecnologais no apoio do ensino. O dado faz parte das conclusões da pesquisa Nossa Escola em (Re)Construção, que registrou respostas de 132 mil jovens de 13 a 21 anos de todas as regiões do Brasil. Eles foram estimulados a refletir sobre suas experiências de aprendizagem e expressar seus desejos em relação à educação.

"Quando falamos sobre educação, normalmente consultamos os adultos, mas dessa vez quisemos dar voz a quem deve estar no centro do processo de aprendizagem: os estudantes", diz o site Porvir, publicação digital de um dos programas do Instituto Inspirare, iniciativa de comunicação e mobilização social que mapeia, produz, difunde e compartilha referências sobre inovações educacionais. Segundo o estudo, só um em cada 10 jovens está satisfeito com as aulas e os materiais pedagógicos oferecidos pelas escolas. Oito em cada 10 jovens acreditam que as relações dos alunos com a equipe escolar e com seus colegas precisam melhorar. Metade dos jovens considera o prédio e a estrutura de suas escolas inadequados.

A pesquisa reconhece que a tecnologia faz parte da vida dos jovens e eles querem utilizá-la em todos os espaços da escola, não apenas em um laboratório ou em uma sala restrita. A lista de preferências relacionadas à estrutura física da escola ideal inclui a reivindicação de “bastante área verde”, o que mostra que, para os jovens, não há incompatibilidade entre usar tecnologia e interagir com a natureza. Garantir a privacidade de todos foi a opção menos mencionada, o que sugere que há um desejo maior pela abertura do que pelo fechamento dos ambientes escolares.